quarta-feira, 3 de março de 2010

O vizinho da rola grossa

Olá pessoal, vocês já devem me conhecer de outros contos neste mesmo site, meu nome é Wicca. O que contarei agora aconteceu comigo ontem (Domingo, 20 de Dezembro de 2009), e ainda estou com o corpo todo doido.
Me mudei para um condomínio a cerca de dois meses, não falo e nunca falei com nenhum de meus novos vizinhos, ultimamente estou mais caseiro e pouco saio. Ontem fui ao shopping com alguns amigos, a fim de enriquecer meu guarda-roupas, para uma viagem que farei daqui há alguns dias. Foi uma tarde muito agradável, mas eu nem podia imaginar o que aconteceria antes do dia acabar.
Voltei para casa, estava uma noite quente, e não tendo nada para fazer nem para assistir, desci e fiquei no jardim lendo um livro. Minha atenção foi voltada para um cara de uns vinte e poucos anos, com um tom de pele bronzeado digno de quem freqüenta praia. Devia ter 1,80m, uns 80 kg, estava de bermuda e sem camisa, acredito que em seu peito se podia lavar roupa tranquilamente. Eu já o tinha visto algumas vezes, e confesso que na primeira vez que o vi, não pude deixar de ficar excitado.
Ele me perguntou, mostrando um cigarro:
- Você tem fogo?
- Não – Respondi o olhando dos pés a cabeça.
Ele deu uma ajeitada na rola, e isso me levou a loucura. Ele se apresentou dizendo que seu nome era Pablo.
Ficamos ali, em silencio por algum tempo, as vezes ele mexia no pinto (Que parecia já estar duro)e eu olhava discretamente por cima do livro. Me assustei quando ele pegou meu braço bruscamente e disse sem delongas:
- Eu já saquei a sua seu viadinho, você não tira os olhos da minha rola! Você quer levar essa rola nesse seu cuzinho arregaçado, quer?
Olhando para os lados, ele continuou:
- Tem alguém em sua casa – Fiz que sim com a cabeça, pois moro com meus pais.
Fiquei num misto de excitação e medo, ele se levantou (Ainda segurando meu braço com força), e saiu me arrastando discretamente.
Me levou ao térreo de nosso bloco, trancou a porta social do prédio (É totalmente proibido deixar a porta aberta), sentou na escada, e disse colocando o pau pra fora:
- Chupa essa porra!
Seu pau era assustador, devia ter uns 19 cm , e era muito grosso. Comecei a chupar, mas seu pau era tão grosso que mal cabia na boca, eu chupava com certa volúpia, engolindo-o até o talo (Coisa que não foi fácil de fazer!), ele dizia coisas obscenas, enquanto metia em minha boca com força.
Ele disse:
- Abaixa as calças que agora você vai ver o que é um rola grossa no seu cuzinho!
Isso me assustou, pois seu pau era muito grosso, e enquanto eu fazia o que ele mandara, ele colocava uma camisinha que tirara do bolso (Não sei, mas alguma coisa me diz que ele já tinha tudo em mente!). Ele deu cuspão em sua mão e passou em meu rabo, deu uma ajeitada colocando seu membro na entrada do meu cú, e segurando minha cintura, me puxou contra si com muita força, enterrando seu pau por completo em minha bunda, Senti aquela rola grossa rasgar todo o meu cú.
Ele mandou:
- Vai seu viadinho, rebola na minha vara!
Comecei a rebolar, e mesmo de costas para mim podia imaginar as caras de prazer que Pablo esboçava enquanto me xingava baixinho.
Fiquei ali rebolando por algum tempo, meu rabo já estava laceado das estacadas fortes que ele me dava, de repente a luz da escada acendeu (A luz se acende automaticamente por um sensor de movimento), rapidamente levantei minhas calças e ele fez o mesmo, seu pau estava visivelmente duro sobre a bermuda. Era uma maldita criança que atrapalhara aquela foda gostosa, após ela sair retomamos, desta vez ele me comeu em pé e com muito mais força. Como ele era mais alto do que eu, tive de ficar na ponta dos pés, o que me deixou com uma super dor nas costas (Mas valeu a pena!).
Nossas posições foram limitadas, devido ao local e a situação, já estava com o cú pegando fogo, quando ele anunciou que ia gozar, rapidamente se levantou me colocando de joelhos, e disse:
- Implora pelo meu gozo viadinho!
Fiz prontamente o que ele mandou, pedindo e implorando para que ele gozasse na minha cara. Ele o fez enchendo minha boca com sua porra quente, eu engoli tudo, e o chupei por alguns minutos. Ele me levantou e me deu um beijo na boca que jamais esquecerei, fechou o zíper da bermuda, e antes de subir as escadas me disse:
- Tô vendo que vou ter que te comer mais vezes!
Esta noite mal dormi querendo mais daquela rola grossa, estou esperando a próxima vez. Se você gostou deste conto (Ou dos outros), e está a fim de conhecer um garoto totalmente liberal, me mande um e-mail. Curto homens sarados, com corpos definidos ou que tenham um corpo legal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário